Terça-feira, 20 de Setembro de 2011

Uma gaiola como tantas outras

Conheço uma varanda que tem uma gaiola. Uma gaiola de grades finas e brancas. Tem três poleiros, um recipiente com água e outro com alpista. Nessa gaiola vive um mandarim. Costumo vê-lo, pela manhã, quando o sol se ergue e ele desperta. Agita as asas. Sacode as penas e põe-se a cantar. Sei que olha através das grades, empoleirado no sítio mais alto. Olha o mundo e os pássaros que, livres, esvoaçam em redor. Têm ninho nos ramos das árvores próximas, ou passam a noite, encostados um a um, sob a proteção da folhagem.

Sei que o mandarim voa com eles, em asas de desejo de ver o mundo. Junta-se a alguma ave solitária e com ela ensaia voos felizes no ar fresco da manhã. À tarde, quando o sol aquieta os voos, abriga-se no beiral da varanda. Espera apenas que o calor abrande para voltar à brincadeira. Solta risos no bando juvenil. Desfia memórias com as aves mais idosas. Aquelas que regressam ano, após ano ao mesmo local. Sei que é um mandarim com sede de vida, de mundo. Mas vive atrás das grades. Vive preso numa gaiola branca de grades. Vive livre porque sonha e os sonhos não se prendem. Olha o mundo do poleiro mais alto. Distante. Sem coragem para descer.

Acho que se escolhesse o poleiro mais baixo, o mundo ficaria mais perto dos seus olhos. Se olhasse a sua gaiola, veria que tem uma porta sempre aberta. Se agitasse mais as asas saberia que pode voar. 

Vive sozinho. Provavelmente, morrerá sozinho. Apenas um pássaro que vive em asas de sonhos. Espreita a madrugada. Apenas olha. Olha, olha. Declina o sol no horizonte. As trevas abraçam a Terra. Já não vê, mas continua olhando o mundo.

Tenho pena deste pássaro. 


Desabafos de alemvirtual às 22:57
link do post | Deixe o seu comentário | favorito

Pedaços de mim


Sou...

Outras almas amigas

. 10 seguidores

pesquisar

 

Janeiro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Desabafos...

A minh´alma não é mais qu...

Zita

Silêncio da noite

Uma gaiola como tantas ou...

As minhas preocupações pa...

Missa em memória da Marga...

Memórias - Margot

Mais perto do céu

Mensagem para uma noiva

Quando a saudade bate

Outras páginas de vida...

Janeiro 2014

Março 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

SAPO Blogs

subscrever feeds